Basics 101 – Estudar ou planejar? O mapa mental te ajuda a fazer os dois!

0

Seja quando estamos quebrando a cabeça na Faculdade para estudar para uma prova ou, já no mercado de trabalho, precisamos tocar um projeto que requer o mínimo de planejamento e organização para dar certo, nos deparamos com duas simples, porém temíveis perguntas: “Por onde eu começo?” e “Será que isso faz sentido para mais alguém, além de mim?” Essa cena é clássica e todos que já pisaram nesse planeta com certeza já se questionaram o mesmo.

Mas, você já se questionou o porquê dessa dificuldade em começarmos algo ou ver se toda a nossa linha de raciocínio faz sentido/está correta? Simples, isso se dá porque não somos treinados a observar “o todo”, “o cenário completo da situação”, por isso quero te apresentar uma ferramenta que auxiliará justamente nisso. É algo que poderíamos ter aprendido na escola (e faria uma baita diferença!). É o mapa mental!

A medida com que vamos estudando ou desenvolvendo um projeto em nossas vidas, vamos seguindo nossa linha de raciocínio de maneira cronológico, sem olhar para trás (como se estivéssemos contando o número de pessoas dispostas em uma fila indiana). Isso faz muito sentido na nossa cabeça, mas impossibilita que entendamos o conjunto das informações e, por muitas vezes, nos perdemos no caminho, traçando um raciocínio falho e conturbado, em que uma informação se sobrepõe a outra e tudo vira bagunça (prejudicando estudos e projetos). Todavia, existe essa ferramenta muito fácil de usar e que nos permite ter uma visualização completa de todo nosso pensamento (que ajudará muito em compreender uma matéria complexa em um estudo, ou fazer com que um projeto esteja alinhado e totalmente coeso a ideia central, do começo ao fim). É o tal mapa mental citado acima! E é ridículo de fácil fazer um desses! Tão fácil e tão bom que você nunca mais vai querer fazer nada sem ele! A seguir, segue um 101 (one – o – one) de como fazer um desses; então vem comigo!

  1. Estágio do “Sei não hein…” – Mas afinal, do que se trata esse tal “Mapa Mental”?

 

Muito simples. Mapas mentais nada mais são do que a manifestação artística dos nossos pensamentos. Como muito bem disse Claudio de Moura Castro em seu livro – “Você sabe estudar?” – “Trata-se de uma estratégia de organização visual de ideias, por meio de palavras-chave, cores, imagens, símbolos e figuras.

Trocando em miúdos, mapa mental é a transformação de uma ideia – ou conceito – em uma figura central que, a partir dela, se desdobra em várias outras figuras, símbolos, pensamentos e estruturas. Dessa maneira se torna fácil visualizar toda a cadeia de raciocínio e compreender como a ideia final está, de fato, ligada ao conceito inicial. Vemos todo o pensamento em uma só página! (se ainda não viu vantagem, imagina poder ver todo o conteúdo de um material para estudo em uma só página, ao invés de ficar relendo centenas de páginas inúmeras vezes? Enxergou a vantagem agora?) 🙂

2.  Estágio do “Conte-me mais sobre isso…” – E como eu monto um?

Para a montagem de um mapa mental você deve fazer algumas coisinhas antes. A primeira é ter entendimento sobre o assunto abordado, o que, no caso do estudo, é ter uma leitura prévia na matéria e já ter tido uma aula sobre o tema. Já no caso do desenvolvimento de um projeto é ter feito uma leitura sobre o assunto, ter experiência na área ou ter parceiros que possam auxiliá-lo, servindo como professores. Fazendo isso, você já vai ter construído um conhecimento geral sobre o assunto a ser abordado e, a partir daí, basta separar a ideia principal para colocar como figura central no seu mapa mental e sair construindo a estrutura dele.

Não existe ordem para fazer um, nem um padrão de como fazer ou onde fazer. Se você possui uma sensibilidade maior com o papel e o lápis, então use e abuso dos rabiscos manuais. Mas se o seu caso já é sempre optar pela tecnologia, corre para um computador e use um dos diversos softwares disponíveis no mercado (irei listar alguns ao final da matéria).

3. Estágio do “Tá uma bagunça! Vou jogar fora…” – Mas como eu faço para ele ter ordem e me ajudar a entender as coisas, e não ser um monte de palavras/imagens jogadas no papel?

mapa-mental

Essa parte é um pouquinho mais trabalhosa, porém muito simples e completamente intuitiva. Existem três fases do mapa mental que são: Listagem, Agrupamento Finalização.

Na listagem, devemos apenas selecionar a ideia/conceito principal e, ligado a ela, todas as ramificações de que nos lembramos. Bem como uma lista mesmo, em que tudo está conectado a mesma coisa, o conceito base. Sem subdivisões, nem nada. Bem simples como um brainstorm. Por exemplo, se estamos montando um projeto de uma ponte, a ideia principal é levar da melhor maneira o fluxo do ponto “A” para o ponto “B”. As ramificações que estarão ligadas no conceito base podem ser: concreto, engenheiros, formas de transporte de pedestres, usar materiais sustentáveis, mão-de-obra, sustentação da ponte, fluxo de carros por hora e etc.

Depois disso, partimos para a segunda fase; o agrupamento. Aqui pegamos tudo que foi listado e dividimos em categorias que, essas sim, estarão ligadas diretamente com a ideia principal. Por exemplo, se continuarmos com a ideia da ponte, as subdivisões ligadas a ideia base serão as seguintes: Materiais (concreto, ferro, arame, cimento, fiação…), Diretrizes (usar materiais sustentáveis, não agredir demais o meio-ambiente, facilitar o transporte de carga…), Utilizadores da ponte (carros, caminhões, pedestres, ciclistas…).

A última fase é a finalização, onde se faz os retoques artísticos (um bom design não apenas agrada aos olhos, como facilita o entendimento e aprendizado) e as últimas modificações. A última tarefa é olhar o mapa todo e percorrer todos os caminhos mentalmente. Fez sentido? Ou tem alguma falha de conceito pelo caminho? O raciocínio está claro e objetivo ou está dando voltas e voltas? É assim que você consegue visualizar toda a sua cadeia de ideias e ver se ela está falha, onde está essa falha e como melhora-lá.

4. Estágio do “Todo esse trampo pra quê mesmo?” – Tá, fiz o mapa mental. Mas e agora? Mando enquadrar isso aí ou ainda tem alguma serventia?

mapa-mental-organize-o-seu-dia1

 

Ao final da montagem você, cientificamente comprovado, terá aprendido mais sobre o tema, absorvido melhor os conceitos e terá a certeza de que toda a linha de raciocínio está correta e faz 100% de sentido. Mas não é por isso que você deve esquecer do mapa ou “enquadrá-lo” na parede para nunca mais ver. Pelo contrário, ao longo de próximos estudos ou projetos similares, você deve recorrer a ele e atualizá-lo com novas informações, além de modificar pensamentos antigos que se perderam ou se tornaram obsoletos.

Dessa forma mantém-se o constante aprendizado e refrescasse o conteúdo na memória. Afinal, o que não se usa, se esquece.

Como disse no começo, essa é uma ferramenta muito simples de se utilizar e se fazer e, mesmo assim, nos oferece um ganho enorme em tempo e refinamento de pensamento, planejamento e estudos. Experimente utilizá-la no seu próximo desafio e veja se não fica muito mais fácil acompanhar seu raciocínio. (;

E também, como prometido, segue uma lista de softwares voltados para a criação de mapas mentais. A vantagem de utilizar os meios digitais são muitas (facilidade em criar/apagar/editar, mobilidade, design e etc.), mas não é regra, lembre-se. Se você se sente melhor com papel e lápis, manda a ver com isso! Se prefere tela e tinta guache, vai na fé! O importante é se sentir confortável com o meio utilizado.

Share.

About Author

Busco a simplicidade no complexo e vice-versa. Em tudo. Sempre. A unicidade (seja na visão ou na aplicação) me instiga/provoca, incessantemente, a desvendar um par, um oposto, uma contradição ou, até, um "ponto de fusão". Seja para complicar, seja para simplificar. O que seria da vida com um só ponto de vista?

Leave A Reply