Falar todo mundo fala. Mas, e se comunicar? Será que você sabe fazer isso?

0

Algo muito comum nos dias de hoje, é que é extremamente fácil encontrar alguém que acredite possuir a habilidade natural de se comunicar com excelência, quando, na verdade, são raríssimas as pessoas que conseguem tal feito. Isso ocorre, talvez, pela globalização em massa, pelas redes sociais e a multiplicação dos meios de comunicação, que oferecem espaço e tempo para que qualquer um diga qualquer coisa.

Essa proliferação de espaços e meios de comunicação acabou criando um conceito equivocado na cabeça de alguns, que podem acabar achando que se comunicam bem porque comunicam muito e que não precisam de ajuda para saber expressar bem uma ideia. Seria fantástico se o ato de “se comunicar” fosse naturalmente fácil e simples. Faria do trabalho publicitário, por exemplo, algo muito menos complexo. Mas a gente sabe que não é bem assim, não é?

Então, eu resolvi juntar algumas dicas de como se comunicar melhor com as pessoas, de forma que seja possível expor suas ideias de maneira clara e objetiva. Iniciando com esses conselhos (e depois procurando outros), você pode começar a se expressar cada vez melhor, evitando ser uma dessas pessoas que fala, fala, fala e não diz nada ao final.

Veja abaixo, algumas maneiras de como melhorar bastante a sua comunicação.

  1. Assim como em um projeto, antes de saber o que fazer/falar, saiba onde quer chegar

É impossível fazer algo, no mínimo coerente, se não sabemos qual nosso objetivo. Pense comigo, como escolher o melhor caminho (mais rápido, mais fácil, mais bonito e etc.), se não sabemos para qual lugar ir? Não fica complicado? É a mesma coisa com a comunicação. Se não sabemos qual nosso objetivo final, o que queremos que as pessoas entendam ou façam ao final de nossa comunicação, se torna muito difícil nos expressarmos com clareza e assertividade. Então, lembre-se sempre, antes de sair falando asneira por aí, pense antes sobre o que você quer atingir com a sua comunicação. Dessa forma, saber o que falar fica muito mais fácil.

     2.  Quando a outra pessoa falar, não fique preocupado em procurar uma pausa dela para que você volte a falar. Ouça o que ela diz com atenção!

Uma das coisas que mais me incomoda nos dias de hoje é que ninguém ouve ninguém. As pessoas ficam apenas “caçando” uma brecha para interromper seu interlocutor e voltar a falar (como se só o que elas dizem fosse importante e digno de ser ouvido). Além de ser um tremenda falta de educação, ao deixar de ouvir o que o outro diz, nós deixamos de aprender novas perspectivas, diferentes pontos de vista e, acima de tudo, fazemos nossos argumentos mais fracos, pois eles não são testados contra diferentes alegações.

Ouvir a outra parte da conversa é o que faz uma “conversa”. Ouça, compreenda, faça a “digestão” do argumento e depois, somente depois, formule a sua resposta. Os melhores comunicadores do mundo sabem que ao ouvir o seu interlocutor, é possível fortalecer o seu argumento e hipótese, além de mostrar valorização e respeito à pessoa que estamos conversando.

   3.   Aproveite que agora você está, realmente, ouvindo a outra pessoa e a inclua na conversa

Um dos nossos vícios modernos de linguagem tem sido excluir a outra pessoa da conversa. Ficamos focados em nossas opiniões e em nós mesmos que acabamos transformando o diálogo em um monólogo muito chato e nada construtivo. Fica uma valiosa dica: sempre que possível inclua a outra pessoa na conversa. Utilize o pronome ‘nós’, elogie um ponto de vista genuinamente interessante ou mesmo, críticas diferentes que, as vezes, expõe uma falha na sua opinião (e que você nem tinha pensado ainda). Mostre que o que ele diz é importante e que a conversa é de vocês! (e não só sua).

   4. Uma coisa muito engraçada sobre comunicação; as pessoas têm medo de ficar em silêncio.

Esse é um ponto muito interessante.  As pessoas que estão se comunicando, na grande maioria das vezes, tem pavor de ficar em silêncio ou de fazer uma pausa mais demorada. Existe um medo pressuposto de ficar em silêncio, como se fazer uma pausa significasse a ‘morte’ de seu argumento. Isso não poderia estar mais longe da verdade. Você sabia que, segundo algumas pesquisas, os melhores comunicadores do planeta são os que mais fazem uso das pausas e do silêncio ao longo de suas falas? Vá até o Youtube e procure um vídeo de Barack Obama falando, ou de Steve Jobs. Agora preste atenção na fala deles e comece a contar quantas vezes eles fazem pausas durante o discurso.

Eles usam muito. E você também deve usar! Claro que de maneira inteligente e estratégica e não a qualquer momento, mas deve usar! Uma pausa bem colocada pode fortalecer muito um argumento, pode convencer pessoas em dúvida ou mesmo reforçar um ponto que havia sido diminuído ao longo da conversa. Então, não tenha medo de ficar em silêncio. Se feito direito, é um grande aliado seu na comunicação.

   5.  Fortaleça seus argumentos com exemplos e metáforas

De nada vale falar e falar sobre algo apenas no campo teórico e complexo da coisa. Nem todos possuem a mesma formação e conhecimentos que você, por isso, nem todos vão entender o que você está dizendo. Traga seus argumentos mais para perto de todos, ‘desenhe-os’ com exemplos comuns, do cotidiano, ou mesmo com metáforas. Faça com que as pessoas visualizem o que você quer dizer. Mas lembre-se: não caia no generalização. Seja preciso em seus exemplos e leve o interlocutor direto para onde você quer ir. Sem rodeios. Uma comunicação assertiva é aquela que é clara e objetiva. Sem dúvidas ou enrolações.

 

Essas são apenas algumas poucas, mas valiosas, dicas de como melhorar a sua comunicação. Se você gostou e sentiu que precisa fazer um upgrade na sua maneira de comunicar, comece a procurar livros, cursos ou matérias que falem sobre isso. Existem milhões de dicas (algumas muito simples, outras um pouco mais complexas) para se tornar um comunicador cada vez melhor! E, claro, se quiserem alguma dica ou indicação, podem sempre me chamar. (:

Share.

About Author

Busco a simplicidade no complexo e vice-versa. Em tudo. Sempre. A unicidade (seja na visão ou na aplicação) me instiga/provoca, incessantemente, a desvendar um par, um oposto, uma contradição ou, até, um "ponto de fusão". Seja para complicar, seja para simplificar. O que seria da vida com um só ponto de vista?

Leave A Reply